Acompanhe nossas redes sociais
e fique bem informado
Notícias | Educação
18.05.2017 - 09h43 | Portal Correio
Professores da UEPB mantêm greve e podem radicalizar movimento
 
  • Tamanho do texto: A-
  •  
  • A+
A greve dos professores da UEPB continuará por tempo indeterminado e o movimento poderá adotar ações mais radicais na busca por reivindicações da categoria. A decisão foi tomada em uma assembleia geral da Associação Dos Docentes Da Universidade Estadual Da Paraíba (Aduepb) na manhã desta quarta-feira (17), que também deliberou por iniciativas na defesa dos 433 professores substitutos da instituição e da prorrogação dos contratos deles até a conclusão do semestre.
 
Segundo a assessoria de imprensa da Aduepb, a continuidade da greve dos docentes foi aprovada por quase a totalidade dos participantes da assembleia, que contou com professores de todos os campi da instituição, no auditório do curso de Psicologia. 
 
A assembleia também deliberou pela divulgação de uma nota do Comando de Greve, alertando que nenhum docente nesta condição poderá ser constrangido a trabalhar durante a paralisação, com o objetivo de colocar notas, concluir disciplinas ou orientações de trabalhos de conclusão de cursos, sobretudo pelo encerramento de seus contratos no dia 12 de maio. A reunião decidiu que se forem constatados casos desta natureza, o comando grevista deve enviar notificação extrajudicial para a chefia do departamento do professor substituto, questionando a iniciativa e também poderá auxiliar o docente a mover processos por assédio moral.
 
O Comando de Greve reiterará a solicitação à reitoria para o fechamento total do sistema de controle acadêmico da universidade, bloqueando qualquer possibilidade de inserção de notas, registro de aulas e outras atividades durante o período de greve.
 
Ocupa
 
A assembleia geral da Aduepb também decidiu que apoiará materialmente e politicamente a construção do ‘Ocupa Brasília’, uma manifestação que ocorrerá no próximo dia 24 de maio para protestar contra as reformas da previdência, trabalhista e a Lei da Terceirização.
 
Pós
 
Um diálogo mais intenso com as coordenações dos programas de pós-graduação também foi aprovado na assembleia, com o objetivo de fazer com que aqueles que ainda mantenham o funcionamento integral paralisem as atividades, aumentando a adesão à greve.
 
 
Comentários
   
   
   
©2010- 2017 . Portal Independente. Todos os direitos reservados
Desenvolvimento: Paula Araújo